Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias Procon promove fiscalização na final do Alagoano, no Rei Pelé
17/04/2018 - 09h55m

Procon promove fiscalização na final do Alagoano, no Rei Pelé

Equipe, além de vistoriar a questão da meia-entrada, verificou venda de bebidas não alcoólicas, entre outros

Procon promove fiscalização na final do Alagoano, no Rei Pelé

Durante fiscalização do Procon no domingo no Estádio Rei Pelé foram constatadas várias irregularidades durante a final do Campeonato Alagoano praticadas pelos clubes

O Instituto de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon/AL) realizou neste domingo (8) uma campanha educativa no Estádio Rei Pelé, no bairro Trapiche da Barra, durante a final do Campeonato Alagoano de Futebol entre CSA e CRB. A ação ocorreu para verificar a lei de meia-entrada e para orientar os consumidores.

A equipe de fiscalização, além de vistoriar a questão da meia-entrada, verificou a venda de bebidas não alcoólicas, a validade e a fixação dos preços de produtos que estão sendo comercializados nos estádios.

O diretor-presidente do instituto, Galba Netto, enfatizou a necessidade de ações em dias como esse, de grande movimentação. “Nossa fiscalização foi feita para realmente verificar o que é feito em jogos de futebol aqui em Alagoas. Nada melhor do que a final do campeonato para observar de perto a regularidade, ou não, de cada time”.

Lei da Meia-Entrada

Durante a venda dos ingressos dos times, foram constatadas irregularidades, tanto do CRB quanto do CSA. A empresa responsável pela venda dos ingressos do CRB estava vendendo como meia R$ 20,00 e a inteira como R$ 30,00. Já o CSA, tinha como preço único o valor de R$ 30,00, ambos sendo irregulares de acordo com o Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Após a constatação da irregularidade, os dois clubes serão autuados. “A irregularidade quanto à venda de ingressos foi constatada e vamos autuar. Nenhuma das situações está correta: não existe um preço único e nem meia-entrada sem ser realmente pela metade do preço”, explicou o fiscal do instituto, Roberto Melo.

 

Texto de Amanda Oliveira

Ações do documento