Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias Procon inaugura Núcleo de Psicologia para atendimento aos consumidores
03/08/2017 - 17h17m

Procon inaugura Núcleo de Psicologia para atendimento aos consumidores

Novidade entre os Procons de todo o país, departamento vai oferecer apoio psicológico aos consumidores que abrirem uma reclamação no órgão

Procon inaugura Núcleo de Psicologia para atendimento aos consumidores

Psicóloga Anne Rafaele, responsável pelo Núcleo, explica que no departamento será realizado um trabalho voltado às emoções relacionadas ao consumo

A Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon/AL) implantou, essa semana, em Maceió, o Núcleo de Psicologia do órgão. O departamento, novidade entre os Procons de todo o país, tem por objetivo oferecer apoio psicológico aos consumidores que abrirem uma reclamação no órgão, além de auxiliar aos próprios funcionários para melhor atender à população.

O projeto promove o acolhimento do consumidor a qualquer momento durante seu atendimento na sede do órgão, servindo como um espaço de referência diante de problemas ligados às relações de consumo.

O superintendente João Anízio Neto explica como se deu a idealização do projeto. “No dia-a-dia do nosso atendimento vimos a necessidade de prestar esse serviço, visando se tornar mais uma instância de cidadania. Queremos mostrar à população que estamos aqui para auxiliar onde for preciso. Qeremos que nosso Procon seja um local de acolhimento e também de amparo”.

Para a psicóloga Anne Rafaele, responsável pelo Núcleo, muitos consumidores não entendem como funciona a psicologia econômica, e que realizará um trabalho voltado às emoções relacionadas ao consumo.

“Nosso trabalho será o de levar assistência aos consumidores que estiverem aqui abrindo uma reclamação. Muitas vezes, o consumidor precisa de alguém que possa ouvi-lo e orientá-lo. Estarei disponível para conversar com aqueles que forem encaminhados pelo atendimento, inclusive em dias de conciliação.”, concluiu.

 

Por Amanda Oliveira

Ações do documento