Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias Procon-AL traz respostas para quem não consegue pagar o financiamento do veículo
30/08/2016 - 13h07m

Procon-AL traz respostas para quem não consegue pagar o financiamento do veículo

Veja as orientações do órgão para diminuir ou se livrar da dívida

Procon-AL traz respostas para quem não consegue pagar o financiamento do veículo

Consumidor deve ainda avaliar sua real condição de pagamento antes de realizar a renegociação (Foto: Divulgação)

A maioria dos brasileiros tem o sonho de comprar um carro, e para realizá-lo acaba recorrendo ao financiamento. As prestações, os gastos com seguro, IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) e a manutenção do veículo podem comprometer o bolso e, quando isso acontece, as chances de não conseguir pagar as parcelas do financiamento se tornam grandes.

Mas, afinal, o que fazer quando não se está mais conseguindo pagar as parcelas do automóvel? O Procon Alagoas traz respostas e orientações para as principais dúvidas dos consumidores.

Para evitar entrar na lista dos inadimplentes, o consumidor deve tentar a renegociação da dívida. “É preciso lembrar também que a renegociação de débitos estão sujeitos à cobrança de juros mais altos. O consumidor deve ainda avaliar sua real condição de pagamento antes de realizar a renegociação”, alerta o gerente de proteção e defesa do consumidor do órgão, João Neto.

Caso o consumidor não tenha condições de renegociar, existem as seguintes alternativas: devolver o carro para a financeira (onde é possível tentar resgatar pelo menos uma parte do que pagou), ou fazer a transferência de dívida para outro consumidor (vendendo o veículo); existe também a opção de revender o carro para a própria concessionária onde adquiriu ou mesmo para outra loja.

Porém, dificilmente, o consumidor obterá todo o dinheiro que deve, já que o financiamento envolve juros. Mas, com a venda, poderá liquidar parte da dívida e renegociar o saldo restante. 

 

Por Amanda Oliveira

Ações do documento