Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias Procon/AL adere à ferramenta eletrônica para auxiliar o consumidor
10/11/2017 - 09h14m

Procon/AL adere à ferramenta eletrônica para auxiliar o consumidor

Convênio com o TJ/AL possibilita uso do Sistema de Automação da Justiça para homologar processos dos consumidores

Procon/AL adere à ferramenta eletrônica para auxiliar o consumidor

Parceria com o TJ/AL permite uso do e-SAJ em prol do consumidor

O Procon de Alagoas ganha um novo aliado na hora de defender os direitos do consumidor. A partir desta quinta-feira (9), o órgão passa a utilizar o Sistema de Automação da Justiça (e-SAJ), que proporciona a homologação, no Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), dos acordos provenientes das audiências de conciliações.

Na prática, o convênio firmado entre o TJ/AL e o Procon/AL viabiliza transformar os processos administrativos do órgão de defesa do consumidor em processo judicial, principalmente quando a empresa não cumpre ou não aceita um acordo favorável ao consumidor.

Para o superintendente do Procon, João Neto, a medida oferece mais segurança aos cidadãos na hora do cumprimento daquilo que foi definido na audiência. “As empresas precisam seguir aquela preposição que foi acordada. Agora, com o uso do portal e-SAJ podemos requerer a execução do acordo no Judiciário”, detalha João Neto.

Segundo informações da responsável pelo e-SAJ no Procon/AL, Angélica Saphier, caso o consumidor não obtenha resolução do conflito é possível gerar no próprio órgão de proteção o protocolo do processo. “Ele já sairá com a data de audiência de conciliação no juizado de sua jurisdição marcada”, complementa Angélica.

Ajuda mútua

A parceria entre Procon e TJ/AL foi firmada ainda no início desse ano, por meio de assinatura do termo de cooperação entre o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Otávio Leão Praxedes, o superintendente do Procon/AL, João Neto, e a secretária de Estado da Mulher e dos Direiutos Humanos, Cláudia Simões.

A cooperação deve resultar em bons frutos para ambas as partes. Para João Neto, a medida “faz com o que o consumidor se sinta resguardado com seus direitos”, concluiu.

Ações do documento