Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias Em entrevista, superintendente fala sobre propostas do Procon Alagoas
24/11/2016 - 16h07m

Em entrevista, superintendente fala sobre propostas do Procon Alagoas

Gestor João Neto cedeu entrevista nesta quinta-feira (24) ao programa Pajuçara na Hora e tirou dúvidas dos consumidores

Em entrevista, superintendente fala sobre propostas do Procon Alagoas

Superintendente João Neto após entrevista nesta quinta-feira (24) ao programa Pajuçara na Hora

Para diminuir dúvidas e responder questões referentes ao Código de Defesa do Consumidor e das atividades do órgão como gestão de atendimento ao público e fiscalizatório, o superintendente João Neto cedeu entrevista nesta quinta-feira (24) ao programa Pajuçara na Hora, com o apresentador Gernan Lopes. 

Em pauta, foram discutidos assuntos relacionados à mudança do órgão para um novo prédio, as ações durante o Black Friday, a liminar que proíbe o Procon/AL de autuar postos de combustíveis, entre outros temas relevantes. 

Além disso, o superintendente reforçou que o trabalho de fiscalização em estabelecimentos precisa ser provocado pelo consumidor para que seja válido. “Somos um órgão administrativo e, por conta disso, só podemos agir em determinada situação através da denúncia. Por isso estamos sempre orientando para que a reclamação seja formalizada pelo consumidor, para que assim a equipe de fiscalização verifique o caso”.

Cartão de crédito

No fim da entrevista, João Neto tirou dúvidas dos consumidores referentes ao acréscimo em pagamentos no cartão de crédito. “Sempre informamos, no caso de pagamento em dinheiro, débito ou crédito em 1x, o valor não pode ser diferente. Já se for parcelado, o acréscimo é legal”. 

O superintendente finalizou a entrevista agradecendo a sua equipe pelo apoio e dedicação ao Procon Alagoas e reforçou a necessidade de os consumidores serem fiscais, sempre denunciando irregularidades constatadas, além de sempre buscar a validação de seus direitos. 

 

Por Amanda Oliveira

 

Ações do documento